«

«

ago 10 2014

Imprimir Post

Índios no Nordeste: dois anos de apoio aos povos indígenas, professores, estudantes, pesquisadores e simpatizantes da causa indígena

Por Edmundo Monte

Caros/as amigos/as, colegas e demais frequentadores/as deste espaço virtual independente, repleto de informações, textos, vídeos etc. sobre os povos indígenas no Brasil:

Em agosto completamos dois anos de atividades ininterruptas. Agradecemos o apoio, as palavras de incentivo e elogios, as críticas e, principalmente, as constantes visitas dos usuários fiéis (mensalmente, a média de usuários “de carteirinha” varia entre 1000 e 1500 pessoas). Levando em consideração os internautas visitantes esporádicos e os que acessaram pela primeira vez, o número de acessos ao site gira em torno de 3400 visitas mensais.

SOBRE OS PRAZERES E OS SACRIFÍCIOS PARA MANTER O SITE NO AR

Particularmente, passei algumas madrugadas em claro, seja para inserir notícias, incluir textos na biblioteca ou buscando informações das áreas de programação e tecnologia da informação, para melhorar a funcionalidade e/ou resolver problemas de ordem técnica no site. Lembrando que, profissionalmente, sou historiador, professor e pesquisador.

Porém, enquanto entusiasta de informática e tecnologia desde a adolescência – mas permanecendo leigo nas questões que envolvem a criação, o desenvolvimento e a manutenção de websites -, confesso que, até hoje, faço malabarismos para tentar conciliar a vida profissional com o mundo virtual. Aqui me refiro exclusivamente ao site ÍNDIOS NO NORDESTE, pois não possuo (nem quero) perfil no “Face”, Twitter e afins. Admiro muito as pessoas entusiastas das mídias e redes sociais que conseguem dividir bem o tempo destinado ao trabalho, à família e os momentos de lazer.

SUGESTÕES DOS USUÁRIOS

Criamos, a pedido de alguns usuários, comunidades no Facebook e no Twitter. Todavia, essas redes sociais estão automaticamente ligadas às postagens do site, ou seja, toda vez que eu atualizo o “Índios no Nordeste”, as informações são inseridas imediatamente nos outros canais.

A PARTICIPAÇÃO DOS EDITORES E OUTRAS CURIOSIDADES

Numa postagem escrita em janeiro, se não me falha a memória, mencionei como funciona a participação do amigo Edson Silva no site. Para relembrar, ele faz uma coleta diária das notícias e textos sobre a temática indígena, que são “filtrados” e, na medida do possível, publicados.

Os frequentadores assíduos deste canal, devem ter notado que os textos recentes são autorais ou semi-autorais. Acredito se tratar do rumo natural das coisas, o amadurecimento, enfim… E olhe que há dois anos atrás recebemos severas críticas de um camarada que trabalha(va) e/ou utilizou um dos computadores de uma pioneira e competente Instituição, defensora hiper-atuante de causas nobres e prioritárias no Brasil – sem falar na diversidade de fontes disponibilizadas online e consultadas diariamente por pesquisadores e estudiosos -, pelo fato de termos republicado um artigo polêmico sobre a questão indígena.

Este artigo também foi postado em dezenas de sites apoiadores das demandas dos povos tradicionais e das minorias no Brasil, porém, não houve alardes. Bem, apesar dos critérios adotados por nós antes de publicar algo, às vezes, determinados pontos de vista (como o do artigo em questão), exerce uma função básica e ao mesmo tempo primordial e democrática: provocar debates e discussões, no sentido de desconstruir ou defender ideias, imagens, análises e reflexões. Para isso existe o espaço COMENTÁRIOS em todas as postagens.

Levantei tal questão porque, na época, o provável funcionário da Instituição, se apresentou como “Zé” e, de forma ríspida, “solicitou” que encerrássemos as atividades do site. Na visão dele, aquele artigo, metaforicamente, era o “diabo em pessoa”. O inimigo número um dos indígenas e do pai Tupã. Para evitar maiores polêmicas e pelo extremo respeito que eu, Edmundo, e o Edson temos pelas pessoas que a conceberam, inclusive amigos nossos que lá trabalharam, somando-se as importantes atividades desenvolvidas no local – que um tal de “Zé”, sujeito intelectualizado, porém mascarado, anônimo, fez questão de desrespeitar as normas internas do recinto onde trabalha(va) -, preferimos deletar a postagem. É importante esclarecermos que, segundo um dos diretores (ou coordenador) com o qual fiz questão de conversar pacificamente, relatou-me, educadamente, sobre a repercussão negativa causada pelo citado artigo entre os funcionários e demais membros da Instituição (respeitei sua opinião), porém denunciei a ação de uma pessoa anônima que utilizou um computador local para “desabafar” contra nós. Como era de se esperar, o colega – que por sinal, assina e recebe as notícias do site Índios no Nordeste via e-mail – fez questão de repudiar esse tipo de conduta.

Agora eu pergunto ao amigo/a leitor/a, já pensou se a gente acatasse a sugestão do “Zé”? Talvez um daqueles alunos que, nas épocas de escola, gazeteava as aulas de História do Brasil, e até hoje parece desconhecer, entre as inúmeras atrocidades cometidas durante o Regime Militar, a tolerância zero e a censura aos profissionais e órgãos de imprensa. Sem falar da repressão, episódios de violência e morte de professores, sobretudo os que atuam nas mesmas áreas que nós, responsáveis pelo site.

Apesar dos pesares, devemos muito ao “Zé”, porque os momentos de dúvidas e dificuldades, são propícios para dar visibilidade à duas categorias humanas, segundo as ações dos próprios sujeitos:

1) As pessoas humildes, que sabem ouvir, aprender com os outros e demonstram atitude e percepção para vencer os obstáculos;

2) Os indivíduos dotados de excelente oratória, que provavelmente estudaram em bons colégios e frequentaram universidades idem, mas… Mas… Mas… No final das contas, não possuem nada além do próprio “bocão”. Em Pernambuco (saudades dessa terra) chamam tais indivíduos de “gente que só tem pala, mas na hora que o bicho vai pegar é o primeiro a correr.”

Prossigamos…

AS TENTATIVAS DE REALIZAR ENTREVISTAS EXCLUSIVAS

Uma das nossas metas iniciais era realizar entrevistas exclusivas com lideranças indígenas, pesquisadores, professores e demais pessoas consideradas importantes por terem dedicado parte de suas vidas em defesa dos direitos dos povos indígenas no Brasil. Convites foram feitos e aceitos, mas, infelizmente, devido aos inúmeros compromissos desse pessoal ou esquecimento – talvez até por se tratar de um site modesto em relação a outros veículos de comunicação digitais – nunca concretizamos este objetivo.

Porém, quem é que não gosta de ganhar um presente? Principalmente quando chega de surpresa.

Praticamente no quintal da minha casa, consegui entrevistar de maneira inusitada, sem nada planejado, uma cidadã simpática, humilde, estudiosa, pioneira e, por isso mesmo, extremamente vultosa para os novos estudos, pesquisas, debates e discussões sobre a presença indígena ao longo da História do Brasil. Não me considero um sujeito arrogante ou adepto de chiliques. Mas, permitam-me divagar sobre um campinho de pelada ou no estádio do Arruda, do meu querido Santa Cruz. Demorou bastante para o placar sair do zero a zero, mas, com todo respeito, nossa primeira entrevista exclusiva – e que não seja a última – na linguagem futebolística, foi um verdadeiro gol de placa. Por esses dias estará no ar.

CAMPANHA: COLABORE PARA MANTER O SITE INDEPENDENTE E LIVRE DE PROPAGANDAS

Finalmente, o último ponto dessa postagem gira em torno da maneira como o site conseguiu se manter ativo por dois anos, sem qualquer tipo de apoio financeiro externo e livre de propagandas. Algo utilizado aos montes nos blogs, sites e portais da internet.

Não procuramos, tampouco fomos procurados por Instituições públicas ou privadas, órgãos de fomento à pesquisa, associações, cooperativas, ONGs, editais de projetos culturais etc. Nada, nadinha. E não é choradeira, não. É a nossa opção: “Independência ou morte!”

Tudo isso é bancado por nós, Edmundo e Edson, desde o início das atividades. Portanto, sem qualquer intenção ou cerimônia de querer pressioná-lo/a, ou utilizar esse tipo de expediente para justificar “um possível fim das atividades do site” – que se depender de nós dois, ele completará bodas de diamante – estamos realizando uma campanha de doações. A velha “vaquinha”. Independente do valor – a partir de R$ 0,01 – utilizaremos o que for arrecadado, exclusivamente, para a manutenção do site.

As questões burocráticas e financeiras incluem basicamente dois pontos:

1) Pagamento anual dos domínios “indiosnonordeste.com.br” e “indiosdonordeste.com.br”;

2) Pagamento da anuidade do servidor de hospedagem. É o local onde ficam armazenados todos os tipos de arquivos necessários ao pleno funcionamento do site. O servidor que utilizamos – e até hoje não temos do que reclamar – localiza-se nos Estados Unidos. Portanto, o pagamento é feito em dólar.

Eventualmente, surge algum problema de caráter técnico que eu não consigo solucionar e recorremos a um profissional da área de TI. Geralmente algum amigo, ao qual gratificamos com uma quantia simbólica.

Escolhemos o serviço de DOAÇÃO oferecido pelo site PAGSEGURO, do grupo UOL, pelos seguintes motivos:

1) segurança e confiabilidade: seus dados pessoais estarão protegidos, nem mesmo nós teremos acesso;

2) facilidade para realizar a doação (não é obrigatório se cadastrar no site para doar, independente do valor);

3) A doação pode ser feita via boleto bancário, transferência eletrônica, cartão de crédito ou débito etc.

LINK PARA AS DOAÇÕES E PRESTAÇÕES DE CONTAS

Acesse este LINK, tire suas dúvidas e clique no botão que o direcionará ao site PAGSEGURO.

Se a campanha vingar – ela será permanente – mensalmente ou bimestralmente, iremos informar a quantia arrecadada até aquele momento.

Quanto mais arrecadarmos, concomitantemente reverteremos os valores em mais anuidades. Já pensou, manter o site pelos próximos 10 anos, livres das burocracias econômicas e podendo pagar o serviço de um profissional da área de informática para realizar melhorias no site, quando necessitarmos?

Outra ideia é, dependo da arrecadação, comprar alguns bons livros sobre a temática indígena para serem sorteados entre os doadores.

Pois bem, está feito o convite, reiterando que todos/as, independente de participarem ou não da campanha, serão sempre bem vindos ao site.

Nosso muito obrigadoE um brinde ao aniversário de 2 anos de ÍNDIOS NO NORDESTE: Tim-Tim!

Important!

> Siga Índios no Nordeste no Twitter e curta nossa página no Facebook. > Receba as postagens do site por e-mail (cadastre-se na caixinha do lado direito do site).

Link permanente para este artigo: http://indiosnonordeste.com.br/2014/08/10/indios-nordeste-um-site-independente/

7 comentários

1 menção

Pular para o formulário de comentário

  1. Carlito Dutra

    Caros professores solidário com vosso trabalho parabenizo os pelo idealismo e compromisso com a defesa dos povos indígenas. Também labutamos nessa empreitada sob empréstimo desta útil ferramenta para levar adiante a voz Ofaié e só por isso já vale a pena. Abraço. Sucesso.

    1. ÍndiosNE

      Prof. Carlito,
      Agradecemos as palavras e tenha certeza que o seu compromisso com os povos indígenas é um exemplo a ser seguido.
      Admiramos muito o seu trabalho. Ofaié!
      Abs,
      Edmundo

  2. Vânia Fialho

    Caros,

    Vocês estão mesmo de parabéns!
    O compromisso e a seriedade estão na cara do site, que se tornou uma referência essencial para o tema
    Outra marca é a generosidade que todos aprendemos com Edson Silva, sempre preocupado em compartilhar documentos, textos, enfim, preocupado em garantir o caráter público das informações e da produção acadêmica. Grande abraço.

    1. ÍndiosNE

      Profª Vânia,

      Gratos pelos elogios e a recíproca é verdadeira.
      Em outubro estarei no Recife, espero reencontrá-la na UFPE.
      E sobre o nosso amigo Edson, você disse tudo!

      Abração,
      Edmundo

  3. Peter Schröder

    Caros Edmundo e Edson,

    parabéns pelo aniversário do blog e, em particular, pela grande dedicação à informação e ao debate fornecidos pelo blog, resultado de uma iniciativa que merece os maiores elogios. Há muito blog que se tornou desinteressante com o passar do tempo, mas o seu continua entre os poucos que sempre valem a pena visitar.

    Abraços,

    1. ÍndiosNE

      Caro Prof. Peter,

      Muito obrigado pelas sinceras palavras.
      O aniversário é de todos nós!
      Diversos sujeitos históricos que compartilham ideias e posições sociopolíticas semelhantes, favoráveis ao efetivo cumprimento dos direitos constitucionais dos povos indígenas habitantes em todas as regiões do Brasil.

      Aproveito o momento para informá-los que é sempre um prazer ouvir pessoas como você, a Vânia, o Carlito e tantos outros; independente do teor da conversa e/ou do assunto abordado. Particularmemnte, classifico-os como sinônimos de aprendizado, vivências e muita experiência.
      Por sinal, parabéns pela dedicação e boa vontade ao compartilhar regularmente estudos raros e preciosos na biblioteca digital Curt Nimuendajú.
      Alguns textos contidos aqui no site, foram coletados através de minhas andanças nas “prateleiras virtuais” daquela biblioteca.
      No mais, esperamos continuar oferecendo conteúdos úteis aos nossos leitores regulares e demais visitantes.
      Adianto que há bastante material “estocado” aqui no HD. Entre um compromisso profissional/pessoal e outro, sobra aquele velho tempinho. É justamente o momento em que atualizo o site. Devagar e sempre!

      Abraço,
      Edmundo Monte

  4. JOSÉ WAGNER DE OLLVEIRA

    Gostaria que fosse divulgado nosso ocadepia.blogspot.com, como MUSEU SANTUÁRIO ETNOLÓGICO, OCA DE PIÁ ABPRÍGINE, só material indígenas.

  1. Dois anos do site: o reconhecimento dos usuários e... o presente de grego

    […] « Índios no Nordeste: dois anos de apoio aos povos indígenas, professores, estudantes, pesquisadores… […]

Comentários foram desabilitados.