Resistência indígena na Aldeia Maracanã (RJ)          Foto: gazetaesportiva.net

Por Edmundo Monte

Car@s leitores, amigos, colegas, colaboradores e usuários deste canal virtual de informações sobre os povos indígenas no Brasil:

Desejamos muita saúde e um ano novo de reivindicações e conquistas justas e legítimas para os índios no Brasil e demais envolvidos com a causa indígena. Reafirmamos, enquanto professores de História, pesquisadores e mantenedores independentes do site ÍNDIOS NO NORDESTE, a nossa solidariedade e apoio aos povos indígenas de todo o Brasil.

Em meados de 2012, quando as horas vagas permitiram-me colocar em prática a antiga ideia de criar um site sobre a temática indígena, não pensei duas vezes quem seria o meu “sócio” na empreitada: “intimei” o amigo Edson Silva para, juntos, alimentarmos de informações este canal virtual. A parceria funciona mais ou menos assim: eu recebo informações por e-mail e de colegas colaboradores; também vasculho a internet atrás de material textual e visual úteis para o site, e cuido de toda a parte “técnica” (não possuo formação na área), envolvendo o design amador, programação (mais amadora ainda) e alimentação de tudo quanto é conteúdo. Esta última função, bem tranquila de realizar, desde que haja tempo para isso (ver o link).

Alguns devem estar perguntando: “E o Edson, qual a função do camarada?”

O amigo de fé, de sobrenome Silva, enche a minha caixa de e-mail todos os dias com informações sobre os povos indígenas e corre atrás de material para a nossa biblioteca de downloads. Por sinal, não custa nada lembrar que todos os registros bibliográficos contidos no site são autorizados e/ou de domínio público.

Em linhas gerais, nossas funções no site ÍNDIOS NO NORDESTE são bem parecidas, com exceção da “aversão carrancuda” do Edson a leituras sobre informática, programação e afins.

Por questões profissionais – retornei de “mala e cuia” com a família para lecionar História e História Indígena em Rio Branco/AC – fiquei impossibilitado de atualizar o site como vinha fazendo antes. Pedimos a compreensão de todos/as, mas garantimos a continuidade do portal no ar, mesmo que as atualizações não sejam constantes.

Para terem uma ideia da nossa honesta e gratificante contribuição para um público diversificado, nesse um ano e meio de atividades independentes e sem fins lucrativos, aproximadamente 40 mil produções textuais foram “baixadas” da nossa biblioteca. Isso, falando apenas dos arquivos hospedados no servidor principal, no qual é possível visualizar os dados estatísticos. Se levarmos em conta os arquivos hospedados em outros servidores, estimo que a taxa de download possa ultrapassar serenamente a casa dos 50 mil textos.

Por fim, já garantimos a anuidade e demais questões burocráticas que envolvem a manutenção do site no ar até agosto de 2014. Até lá, dependendo das circunstâncias pessoais e profissionais, cogitaremos a possibilidade de criar uma espécie de “vaquinha” apenas para quitarmos as anuidades do site nos próximos anos. Não é certeza que isso aconteça, mas, por se tratar de um canal independente, mantido por dois professores e seus muitos afazeres, não custa nada planejar e traçar o famoso “plano B”.

Essa semana, nas poucas horas vagas, teremos algumas atualizações com notícias, vídeos e pelo menos quatro novos textos em nossa biblioteca virtual. Um ou dois deles são considerados “mosca branca”!

O nosso muito obrigado a todos(as) vocês e continuem nos visitando!

[important]Siga Índios no Nordeste no Twitter e curta nossa página no Facebook.[/important]

2 Comentários em “Índios no Nordeste em 2014

  1. Amigos,
    estou precisando mandar uma informação para o Museu do Indio-FUNAI, de quem recebi no dia 27/12/2013,
    o belissimo livro MEMÓRIA DO SPI, organizado por Carlos Augusto da Rocha Freire. Tentei várias vezes enviar
    um email mas não deu certo.
    Peço, encarecidamente, que comuniquem a Coordenação de Divulgação Científica do Museu do Indio, esse
    recebimento, que é uma preocupação do referido Setor que nos enviou esse livro.
    Muito agradecida, Maria Amélia Leite

    1. Que bom, Amélia!
      Tente preencher o formulário no site deles ou fazer uma ligação.
      Abs, boa sorte e continue nos visitando.
      Edmundo Monte

Comentários encerrados.