Por Edmundo Monte

A partir do próximo dia 06, os povos indígenas do Ceará estarão debatendo sobre questões pontuais no movimento indígena. Durante a XVIII Assembleia Estadual dos Povos Indígenas do Ceará, que ocorrerá entre os dias 06 e 09 de março, na Aldeia Fidelis, em Quiterianópolis/CE, temas como terra, saúde, educação e atuação de instituições e entidades nas ações governamentais e de apoio às comunidades indígenas cearenses, serão discutidos entre os representantes das etnias do estado e convidados de outras localidades.

Para maiores informações, a organização disponibilizou os seguintes contatos:

Dourado Tapeba / APOINME: (85) 8881.6672

E-mail: douradotapeba@gmail.com

Jorge Tabajara / COPICE: (85) 8732-6596

E-mail: jorgetabajara@yahoo.com.br

[important]Siga Índios no Nordeste no Twitter e curta nossa página no Facebook.[/important]

1 Comentário em “XVIII Assembleia Estadual dos Povos Indígenas do Ceará

  1. Pena não poder participar…

    Ótima oportunidade para colocar a questão dos outros vinte oito (ou mais) povos não reconhecidos da nossa região, massacrados e hoje misturados que continuam sendo confinados/desindianizados/separados/cegados nas infâncias (nesses quinhentos e treze anos de colonialismos ocidentais) nas cidades (e todo esse território) de todas as regiões longe dos olhos dos próprios patrocinadores e financiadores desses silêncios e apagamentos…

    A questão indígena não começa com a (In)Constituição de 1988, nem com o (SPI Serviços de (Des)Proteção aos Povos Indígenas) em 1910, nem a FUNAI (AFundação (Des)Nacional dos Povos Indígenas) em 1967 ela procede desde 1500 anos (calendário de institucionalização de colonialismos) e tem que continuar ardentemente na (des)educação colonialista que todxs são obrigadxs a seguir pois as torturas, confinamentos e outros projetos colonialistas sobre nossas subvidas nos aguardam sutis ou escancaradamente em todos os espaços…

    Marleide Quixelôs a questão indígena é de problema de todxs nós indígenas e não-indígenas!!

    Então que destruamos os colonialismos que existem dentro de todxs nós!!

Comentários encerrados.