Por Kelly Martins (G1)

Brigadistas do Prevfogo foram acionados para combater as chamas. Terra indígena fica próxima ao Parque Nacional do Xingu.

Um incêndio florestal no município de Querência, a 912 km de Cuiabá, já consumiu cerca de 5 mil hectares de vegetação nativa da Terra Indígena Wawi, próxima ao Parque Nacional do Xingu. As chamas se alastraram pela região com risco de atingir outras aldeias vizinhas.

O coordenador do Prevfogo, Cendi Ribas, também analista ambiental do Ibama, informou que equipes de brigadistas já foram deslocadas para o local para combater as chamas. Os brigadistas acionados atuam em Brasnorte e Luciara. “Nesta sexta-feira serão feitos os primeiros combates, com 21 brigadistas divididos em 3 esquadrões, para controlar o avanço do incêndio”, disse.

O Ibama conta com 236 brigadistas do Prevfogo que estão distribuídos em 10 municípios de Mato Grosso. As brigadas são formadas no período de estiagem para a proteção das áreas sob responsabilidade do Governo Federal, como Terras Indígenas, Florestas Públicas e, também, Unidades de Conservação, em apoio ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio.

Focos de incêndio também tentam ser combatidos no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, um dos principais pontos turísticos de Mato Grosso, a 60 km de Cuiabá. As chamas já consumiram aproximadamente três mil hectares da área. Isso corresponde a três mil campos de futebol queimados.

O ponto em que o fogo avança é a região conhecida como Morraria do Quebra Gamela, uma área de conservação ambiental, próximo ao Coxipó do Ouro. Além das equipes do Corpo de Bombeiros, 53 brigadistas estão atuando no local e buscam controlar o incêndio.

Queimadas atingiram também fazendas na região do Pantanal mato-grossense, no município de Santo Antônio de Leverger, a 35 quilômetros de Cuiabá. O fogo consome áreas de pastagem e a mata nativa às margens do Rio Aricazinho, afluente do Rio Cuiabá. Além de destruir a vegetação, o fogo ainda coloca em risco a vida de muitos animais silvestres.